segunda-feira, agosto 27, 2007

Saber lidar com a efemeridade e a transitoriedade... é ser feliz!!!



Saber lidar com a efemeridade e a transitoriedade... é ser feliz!!!
Assim pensei eu enquanto divagava sobre as coisas da vida, as coisas mundanas, o que temos, quem somos, quem temos, o que somos...
Olhe para estas lindas flores coloridas do Jardim Botânico, alinhadas, coloridas, perfeitas para a minha foto naquela manhã ensolarada e de temperatura agradável e amena. Mas o que garante que elas estarão tão igualmente lindas numa outra manhã? Numa outra estação? Num dia nublado? E no ano que vem, estarão as flores iguais, com as mesmas cores? Nascerão do mesmo tamanho?
Para todas estas questões, de nada sabemos ou temos como prever ou antever. Assim é a vida. Que certeza temos sobre o amanhã ou os próximos cinco minutos? Você estuda, se forma e quando arruma o "emprego sonhado" percebe que não tem talento ou que não era bem como pensava ser. Casa-se com a mais bela garota da cidade e, com o passar dos anos, não mais sente o mesmo amor que no início. Ganha muito dinheiro na Mega-Sena e não sabe se sua esposa mandará um capanga matá-lo para herdar tudo. Tem filhos lindos com o homem que você mais ama, que depois não quer te dar pensão, vão brigar na Justiça e o que era para ser um romance com final-feliz vira um quebra-pau litigioso nos tribunais. Não, não pretendo soar trágica. Mas essas coisinhas mundanas me fazem pensar que na vida nada é certo. NADA.
Então, aqui começa minha filosofia de vida. Se nada é certo, então é sábio quem souber lidar com os imprevistos, os tropeços, as surpresas (as boas e as más), enfim tudo o que couber entre efemeridade e transitoriedade... porque sim, na vida, tudo é passageiro... (principalmente para quem trabalha num aeroporto...) O ser humano é avesso a mudanças, ele geralmente quer ter certeza de que dará certo e se der, quer que aquilo permaneça para sempre. Tem medo do desconhecido, da incerteza, da instabilidade. Todos somos assim mesmo, nao? Sofremos se há ameaça de que o que está estabelecido vai ruir. Mas qual é a certeza de que se estará vivo amanhã ou daqui a vinte e cinco anos?
Então já que não podemos garantir que estaremos vivos até daqui a 60 anos... (sim, porque eu adoraria viver pelo menos até os cem... igualzinho meu avô... que já tem 97) então o jeito é ser feliz todos os dias, certo? E por que não, poder ser feliz com o que se tem, com o que se é, com as pessoas que se conhece, e com o trabalho que se consegue fazer com prazer, no momento presente? Por que não se pode ser feliz sabendo compreender a realidade e lutando para aceitar as coisas como elas são com lucidez? A compreensão sobre as coisas e sobre as pessoas é o que nos conduz ao ponto-de-vista das coisas. E do ponto-de-vista depende a felicidade. Só do nosso próprio modo de ver a vida.
E a sabedoria de buscar a felicidade reside em poder ser feliz sabendo lidar com as incertezas, as possibilidades, os incidentes, a efemeridade e a transitoriedade. Sei que nunca estamos preparados para o que não queremos, que é a quebra da continuidade, mas... sendo inevitável, por que não aprendemos a lidar com elas?

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial