sexta-feira, dezembro 08, 2006

Dizem que temos 7 vidas...

Dizem que temos 7 vidas...
Pois é. Se é que temos 7 vidas, ontem eu gastei a minha terceira. Na volta do trabalho, já na madrugada, o farol na Brigadeiro Faria Lima estava aberto para o pedestre (eu) e eu saí atravessando. Quando estava bem no meio da travessia, faltando-me ainda uma pista, veio um carro em minha direção em altíssima velocidade, com tudo, sem sinais de que ia parar... Entrei em pânico, e tudo o que consegui fazer foi levar as mãos ao rosto e gritar. Gritei apavorada. Gritei muito! Gritei pensando que eu morreria ali mesmo, sem nem ter cumprido metade das coisas que eu me propus cumprir... Morreria ali sem arrumar meu armário, sem mandar emails, sem participar das festas de fim-de-ano que estão pra chegar, sem conhecer novos amigos muito legais, sem ver minha sobrinha, sem experimentar a receita de panqueca, sem nem ter falado com meus pais...
Affe... Não sei como, mas meu grito de desespero surtiu efeito. O bêbado-louco-drogado-insano-imprudente motorista do veículo desviou o carro numa manobra radical a 2 centímetros de me pegar em cheio! Eu não conseguia nem andar mais. Minhas pernas ficaram trêmulas. O filho-da-puta quase me matou por ser um filho-da-puta!
Voltei pra casa traumatizada. Trêmula. Não conseguia chorar. Nem respirar. Mas sentia um alívio e uma felicidade indescritíveis!! Fechei os olhos e agradeci a tudo quanto foi entidade: primeiramente aos espíritos, nos quais acredito fervorosamente. Depois aos anjos-da-guarda de plantão, que davam uma cochiladinha... mas acordaram com os meus gritos ensurdecedores. Agradeci aos céus, a Deus, a Alah, aos deuses dos ritos africanos, a Buda, a Confúcio, aos deuses da mitologia greco-romana... e eu nem lembro mais a quem mais... sim... abri os olhos, e agora agradeci de novo por merecer mais umas vidas extras aqui, e ter tido a chance de ficar viva pra continuar essa jornada, perto dos meus pais, minha família linda, meus amigos, as árvores, os pássaros, a chuva, tudo... tudo o mais que eu adoro ver e vivenciar.
Não foi dessa vez... ehehehe... são sete vidas, afinal...

4 Comentários:

Blogger Divaldo disse...

Que susto, hein, guria?
Calma, tudo tem seu propósito.
Meu ano e meio de missão impossível aqui tem servido para me fazer ver muita coisa. Continue, como vc fez, procurando ver as coisas boas disso tudo: a cada dia, ganhamos o direito de mais um dia. O que ainda precisamos fazer que não fizemos hj?

Ao ler seu relato, vi que, mesmo lendo algumas de suas reflexões, ainda não tinha escrito algo.
Bem vinda à vida! Segue um abraço virtual, mas em breve virá um real!

Divaldo

8/12/06 11:25  
Blogger Betty Nishi disse...

Obrigada, Di!

É sempre uma honra encontrá-lo por aqui, ainda que virtualmente!

um grande beijo!

8/12/06 13:46  
Anonymous Carla Luz disse...

Da próxima vez que for atravessar a sua olhe para os dois lados umas 3 vezes pra ter certeza! Eu, às vezes, faço isso. Não confio em atravessar com uma única olhada...
Um abraço e mais cuidado!

27/12/06 19:42  
Blogger Betty Nishi disse...

Obrigada, Carla!
Lembrarei disso sempre!
Atravessar agora virou uma paranóia para mim. Mesmo com cuidado, ainda tenho aquela sensação de que pode acontecer de novo... a qualquer hora...
Obrigada pelo carinho!
bjs

3/1/07 03:55  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial